O descaso com os idosos na Suécia durante a pandemia

Na Suécia, idosos em asilos não recebem ajuda em casos graves de Covid-19

suecia_abandona_idosos_coronavirus
(Imagem: Pixabay)

A decisão da Suécia de não impor um lockdown (bloqueio total de circulação de pessoas) durante a pandemia da Covid-19 já havia atraído a atenção e críticas da opinião pública no mundo inteiro. Agora, uma onda de denúncias de que os idosos em asilos não receberam os cuidados necessários para sobreviver ao novo coronavírus está colocando em xeque a estratégia sueca de combate à pandemia. Pessoas acima de 60 anos representam 95% das mortes por Covid-19 no país nórdico.

O governo sueco já admitiu que falhou ao não proteger adequadamente essa parcela da população, mas afirma que médicos e instituições agem segundo regras rígidas estipuladas pelo Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar.

Documentos e denúncias de médicos e entidades nos últimos dias apontam para a aplicação de diretrizes como tratar os idosos nos próprios asilos — em vez de encaminhá-los a hospitais e UTIs — e administração de cuidados paliativos (de fim de vida), no lugar de tratamentos; além disso, orientam a não administração de oxigênio mesmo em casos mais graves da doença.

“Temos recebido sinais de que os idosos não têm tido acesso a tratamento com oxigênio, que faz parte das recomendações para tratamento paliativo do Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar“, afirmou a diretora-geral do IVO, Sofia Wallström, ao jornal Dagens Nyheter (DN). “Todos têm direito a receber o cuidado de que precisam, seja paliativo ou de outro tipo”, completou.


“Todos têm direito a receber o cuidado de que precisam, seja paliativo ou de outro tipo”


Suécia tem a mais alta taxa de mortalidade

A Suécia tem a mais alta taxa de mortalidade per capita por Covid-19 da Europa, segundo dados da Our World In Data, da Universidade de Oxford, com 6,25 mortes por dia por milhão de habitantes.

Até terça-feira (26), pessoas com mais de 60 anos eram 3.848 dos 4.125 mortos pelo vírus no país. Do total, 65% tinham mais de 80 anos — e cerca de três quartos viviam em asilos, segundo o governo. Porém, apenas 3,9% das pessoas que tiveram acesso a atendimento em UTIs tinham mais de 80 anos, segundo o registro de unidades intensivas publicado pelo Svenska Aftonblated.


(* Com informações do Tab/UOL – Leia a reportagem completa em

https://tab.uol.com.br/noticias/redacao/2020/05/28/na-suecia-idosos-em-asilos-nao-recebem-ajuda-em-casos-graves-de-covid-19.htm


Leia mais do site da RIAAM-Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *