Mais riscos no empréstimo consignado

Margem maior do consignado do INSS pode aumentar endividamento

A ampliação da margem do empréstimo consignado para aposentados e pensionistas de 35% para 40%, além de ter sido estendido para pessoas que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC), acendem o alerta.

Além disso, beneficiários do Auxílio Brasil, que até dezembro deste ano vão receber R$ 400 por família.

Para o governo é uma medida para reaquecer a economia e injetar dinheiro em circulação.

Leia: 13º ainda no primeiro semestre

Mas já são dezenas entidades de defesa de aposentados e de consumidores que criticam o alto risco de endividamento, principalmente entre pessoas mais pobres e vulneráveis.

Leia: Força tarefa no consignado

Os juros mensais máximos do empréstimo consignado são atualmente de 2,14% ao mês e 3,06% para o cartão de crédito consignado. No caso dos juros para beneficiários do BPC e do Auxílio Brasil os juros devem chegar a 3% ao mês.

Presidente da Faaperj defende o 14º

Yedda Gaspar, da Faaperj

“Para os que estão muito necessitados, o aumento da margem consignável vem em boa hora, principalmente se, com o novo empréstimo, a pessoa conseguir quitar alguns com juros mais altos, como o cartão de crédito ou cheque especial. Mas bem melhor do que o aumento da margem seria a aprovação do 14º salário, excepcionalmente, e melhor ainda a aprovação do Projeto de Lei 4434/2008, que recupera o poder de compra dos aposentados, em relação ao salário mínimo, em cinco anos”, avalia Yedda Gaspar (foto), presidente da Federaçao das Associações de Aposentados e Pensionistas do Estado do Rio de Janeiro (Faaperj).

(* Com informações do IG/Economia – Leia mais aqui )


Veja também na RIAAM-Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.